Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

angie's blog

angie's blog

angie's blog

14
Fev09

All we need is love!

Angela

Eu não acho que lá por hoje ser dia de S. Valentim se devem dizer todas as declarações e dar todos os presentes que não se dá o resto do ano, mas já que tenho um blog e que o Amor está presente na minha vida, não podia deixar passar o dia sem aqui pôr alguma coisa.


Quis procurar algo fofo e querido, umas quantas frases feitas, poemas ou músicas, que pudessem demonstrar o meu amor pelo P., mas depois pensei que mesmo fofo era dizer simplesmente Amo-te.


Não que ele não saiba, não que não lho diga algumas vezes, mas simplesmente porque me apetece. Como o digo das outras vezes, ou seja, sempre que me apetece


Além do mais, é muito mais original (digo eu) escrever algo do género: És a tampa da minha panela ou És a metade da minha laranja, do que um mais do que batido Amor é fogo que arde sem se ver...


Depois estava indecisa, como geralmente sempre fico, em relação a alguma imagem que pudesse colocar aqui, mas decidi-me por esta:

 


A ideia: Seguirmos os dois o nosso caminho, pelas nossas perninhas, sempre juntinhos e agarradinhos...

15
Jan09

E o amor?

Angela

Esta semana, o Cardeal Patriarca de Lisboa saiu-se com o "conselho": jovens portuguesas, cuidado porque se casarem com um muçulmano têm uma série de chatices (algo deste género).

 

Segundo o que li aqui sobre as afirmações que o Cardeal fez pareceram-me um tanto ou quanto contraditórias... Pois diz que não se consegue manter diálogo, que eles não querem dialogar e que acham que a a sua verdade é a única, mas também não me parece que o Cardeal estivesse aberto a qualquer tipo de "mistura".

 

Ora bem, sem entrar em questões religiosas, que essas são bem mais complicadas, eu como romântica que sou pergunto-me: onde fica o amor no meio destas afirmações? Quando duas pessoas se gostam não interessa em nada se são católicas, muçulmanas, judias ou de qualquer outra crença religiosa. Gostam-se e pronto. Tudo o resto que pode daí advir, são questões para que já estariam, supostamente, preparados

 

Não vejo o facto de ser de determinada religião impeditivo se haver casamento com outra pessoa de outra religião. É é também exemplo disso os casos que deram na televisão no mesmo dia que falaram desta notícia. É certo que há as excepções, os casos dramáticos, e os exemplos de como não seria assim tão fácil haver mistura, mas que fazer...

 

eu acredito é no amor...

11
Dez08

Poesia

Angela

Ontem, quando vinha no autocarro a caminho de casa depois de um dia extenuante de trabalho, mesmo antes de sair, um senhor, já velhote, parou na porta da saída e começou a dizer um poema. Julgo eu que foi no seguimento da conversa que estava a haver no autocarro, mas achei muito engraçado, aquele velhote saber o poema de memória. Quando terminou já o autocarro estava parado e a abrir as portas. Ele então disse "Boa Noite" e saiu. Foi uma situação super curiosa, pois o excerto de poema que ele disse era positivo. Algo com o sentido: apesar das coisas serem más, de por vezes não serem como queremos, devemos rir. Segundo o senhor o poema era de José Régio. Ora tendo eu assistido a esta situação pensei logo em encontrar o poema e pô-lo aqui.


E de facto encontrei o poema. No entanto, o excerto que ele disse é mesmo uma pequena parte de um poema maior. E apesar de ter aquele mesmo sentido que tinha percebido, encontrei um poema de José Régio que gostei ainda mais!!


Não têm nada a ver, mas este é muito....como dizer...profundo! E é romântico...e sentido...e toca cá no coração quando consegue exprimir alguma coisa humana..


Aqui vai:


Soneto de Amor


Não me peças palavras, nem badalas,

Nem expressões, nem alma... Abre-me o seio,

Deixa cair as pálpebras pesadas,

E entre os seios me apertes sem receio.


Na tua boca sob a minha, ao meio,

Nossas línguas se busquem, desvairadas...

E que os meus flancos nus vibrem no enleio

Das tuas pernas ágeis e delgadas.


E em duas bocas uma língua..., - unidos,

Nós trocaremos beijos e gemidos,

Sentindo o nosso sangue misturar-se.


Depois... - abre os teus olhos, meu amado!

Enterra-os bem nos meus; não digas nada...

Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

Não é propriamento um poema agora da época natalícia em que estamos...mas que é bonito lá isso é!

06
Mai08

Era uma vez...

Angela

... (é assim que começam as mais belas e eternas histórias, como esta!), um príncipe ! No entanto, esse príncipe precisava de alguém que o aturasse, pois até então ninguém o tinha conseguido fazer e ele vivia infeliz e triste no seu enorme palácio.

 

Certo dia, uma fada enviou uma jovem moçoila, ingénua e inocente, um ser super poderoso, capaz de conviver com aquele príncipe . E lá foram os dois, por aqui e por ali, convivendo, passeando.

 

O príncipe mostrou àquela jovem muitas coisas, ensinou-lhe algumas (poucas, vá e ela, como em qualquer história de princesas, apaixonou-se. Ele, que também tinha aprendido muitas coisas buereres mesmo!!) pediu à moça se não queria ir viver para o seu palácio.

 

E assim foi, o príncipe e a princesa foram viver para o palácio onde se passaram a divertir muito os dois ( ui como eles se divertiam!!). Mas também, a convivência nem sempre foi a mais fácil, pois o príncipe era um bocado rabujento e chato e badalhoco e falava muito, sempre bla bla bla , mas a princesa gostava dele assim. E aturava-o. E amava-o. Muito.

 

A fada, vendo o resultado da sua magia, enviou ainda mais amor e felicidade para os dois...e pronto...(como em qualquer história...) viveram felizes para sempre!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Em destaque no SAPO Blogs
pub