Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

angie's blog

angie's blog

angie's blog

09
Mai08

Cábula

Angela

Hoje vou cabular!!! Vou armar-me em copiona e pôr aqui o texto de opinião de ontem do jornal O Metro., da autoria do Fernando Alvim. Eu pelo menos achei piadola a este texto e até tem o seu sentido...cá vai:

 

"Existe uma palavra que mais nenhum país tem e essa palavra não é saudade. A ideia romântica que só existe saudade em Portugal não passa disso mesmo. Em todo o mundo existe saudade, só que, a exemplo do que acontece com os filmes coreanos, aquela rapaziada tem a mania de dizer por muitas palavras o que podiam dizer só com uma. Em Portugal não há tempo para isso e por uma questão de economia verbal institui-se desde cedo dizer tudo só com uma. E bem. Os coreanos dizem "sabes, chego a casa e sinto um vazio enorme, existe demasiado espaço na cama, no sofá, no corredor, na sala em frente ao televisor, existe demasiado espaço quando tu não estás", quando em português a coisa se simplifica com um objectivo "sinto saudades tuas, sua palerma". A língua inglesa está mais perto quando nos copia e diz " i miss you" o que vai ao mesmo e não anda ali a brincar na areia. Agora, experimentem lá encontrar uma expressão em inglês similar a "obrigadinho". Ah? Pois, pois, não existe. E o que mais disto poderão encontrar será "thank you very much" que, com verdade, não é a mesma coisa. isto é, dava jeito haver um "inho" para as outras línguas, mas o "inho" é nosso e deveria ser criada com urgência uma qlq associação de defesa do inho português.

 

Sem precisar de uma enciclopédia de língua portuguesa ou outro qlq compêndio que me explique, é fácil perceber que o "inho" provém da palavra carinho e não há nada de que os portugueses sintam mais carinho do que os filhos, amigos e a comida. A Tv Cabo percebeu isso antes de tds e há relativamente pc tempo lançou uma campanha onde celebrizou a "Teresinha"..Vos garanto que a campanha não teria o msm efeito se em vez da teresinha nos apresentassem simplesmente a teresa da tvcabo. Diferente, não é?

 

Do mesmo modo que qd convidam a beber uma cerveja em pleno final de tarde não raras as vezes torço o nariz, mudando tudo, quando simplesmente dizem " e q tal se fossemos beber uma cervejinha?" São duas se faz favor e um pratinho de tremoços sff. Daí q os melhores cafés e restaurantes são aqueles q tratam os seus clientes com carinho e que em resultado disso nos fazem perguntas como se nos tivessem a fazer cafuné na cabeça: " o sr dr quer um cafezinho? vai querer sopinha?" (...)

 

Se bem que - e agora que penso nisto, raios - o "inho" pode ser letal quando usado sem carícia. E este diminuitivo que qd associado ao carinho nos engrandece basta estar torcido, para - como é da sua genética - diminuir. São os casos de "esse senhor é um escritorzinho", "essa rapariga é uma enfermeirazinha". Saramago em visita recente lembrou-nos isto mesmo: que este obrigadinho é nosso e que os espanhóis nunca o compreenderão porque não o têm. Do mesmo modo que muita gente não compreende que uma pessoa com um modesto salário pode ter aquela casa e dois veículos com matrícula alemã na porta- E porquê? Porque não os têm. E posto isto, se não se importam, obrigadinho."

 

Depois de ler isto pensei: Hum....isto até é capaz de ter alguma lógica e fazer algum sentido...digo eu

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Em destaque no SAPO Blogs
pub